Vereador participa de Audiência Pública sobre a implantação da Ferrogrão

Vereador participa de Audiência Pública sobre a implantação da Ferrogrão

Ícaro acompanha Audiência Pública ao lado do prefeito de Sorriso, Ari Lafin

Na tarde de hoje (8), o vereador Ícaro Francio Severo (PSDB) participou de uma Audiência Pública que foi realizada pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) no auditório da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Sinop. O propósito do evento era discutir os estudos elaborados para a implantação da ferrovia Ferrogrão e sugerir possíveis melhorias ou adequações.

“Essa é uma importante discussão para o desenvolvimento econômico da nossa região e de todo o país. É importante que estejamos aqui, analisando os projetos, ficando por dentro do que deve ser implantado em nossa cidade e fiscalizando se realmente as propostas vão ao encontro do interesse público e social”, avaliou Ícaro.

Com 932 quilômetros de extensão, a Ferrogrão pretende ligar Sinop ao porto de Miritituba/PA. Os estudos realizados estimam que, anualmente, a ferrovia consiga transportar 58 milhões de toneladas dos seguintes produtos: milho, soja, farelo de soja, açúcar, fertilizantes, etanol, gasolina e diesel.

Edeon Vaz Ferreira

Para o diretor-executivo do Movimento Pró-Logística de Mato Grosso, Edeon Vaz Ferreira, a principal vantagem da implantação da Ferrogrão é a diminuição do valor do frete. “A média do valor do frete em nosso Estado é de R$ 190 por tonelada. Com a ferrovia em atividade, estimamos que o valor do frete caia para R$ 80”, disse.

Apesar de cortar várias cidades do Mato Grosso e do Pará, o projeto prevê que a ferrovia possua “bases” nas cidades de Sinop, Matupá e Miritituba. Os trens que irão carregar e descarregar produtos poderão ter até 160 vagões, num comprimento total de até 2.958 metros.

De acordo com os estudos apresentados pela ANTT na audiência pública, a opção mais viável é que a ferrovia seja construída às margens da BR-163, ou seja, seguindo o mesmo curso da rodovia. Em relação ao levantamento geográfico da área impactada, mais de 630 plantas foram anexadas, somando aproximadamente 4 mil páginas.

Após as rodadas de audiências públicas – que deve encerrar no dia 12 de dezembro em Brasília/DF –, o próximo passo é aguardar um acórdão do Tribunal de Contas da União (TCU). A previsão é que o edital de licitação seja lançado no segundo trimestre de 2018 e que o leilão seja realizado no terceiro trimestre do mesmo ano.

Empresas brasileiras ou estrangeiras (isoladas ou em consórcio) poderão participar do Edital. Para a construção da Ferrogrão, a empresa vencedora deve desembolsar cerca de R$ 12,6 bilhões. Deste montante, R$ 6,46 bilhões serão utilizados em obras de infraestrutura, R$ 4,55 bilhões em materiais rodantes e R$ 1,66 bilhão em operação e tecnologia.

Pedido de Cancelamento

Advogado tenta cancelar a Audiência Pública

Ainda antes do início da Audiência Pública, o advogado Silvio Marinho do Nascimento (OAB/MT 6304) pediu, em um documento, o cancelamento do evento. Segundo ele, a minuta do contrato não foi juntada aos documentos iniciais da audiência. Além disso, reclamou que esse documento só foi publicado no Diário Oficial da União (DOU) apenas há um dia da discussão.

“Ninguém aqui teve acesso a esses documentos, que são de suma importância para discutir a implantação da ferrovia. Esse é um erro grave e insanável na condução das audiências. Essa audiência é nula e um desperdício de dinheiro público”, esbravejou em entrevista.

Manifestação Indígena

Índios acompanham Audiência Pública

Povoações indígenas estiveram presentes e participaram da audiência. Depois de entrar no auditório em fila e com gritos de guerra, os índios se acomodaram nas cadeiras para acompanhar as discussões.

As comunidades indígenas reivindicam, principalmente, que eles sejam consultados e que os estudos sejam mais aprofundados. “Nossa reserva já sofre com o desmatamento, com mudança de clima e rios que estão secando. Este projeto precisa ser estudado direito. O povo, seja indígena ou não, precisa entender melhor sobre a Ferrogrão. Os índios precisam ser ouvidos. Os políticos pensam no desenvolvimento econômico de Mato Grosso, mas não no desenvolvimento do nosso povo”, discursou o representante de 16 povos indígenas, Yefuca Kayabi.

Presença da Polícia Militar

PM é acionada

A Polícia Militar (PM) foi acionada e esteve no local, com o objetivo de manter a ordem no recinto e evitar possíveis brigas ou agressões. Apesar das manifestações favoráveis ou não, antes e durante a Audiência Pública, todos buscaram ser ouvidos.

Weslley Mtchaell – Assessor Parlamentar

Enviar mensagem
Precisa de ajuda?
Olá, tenho uma dúvida!