Ícaro questiona licitação da Prefeitura de mais de 4,9 mil horas em carro de som

Ícaro questiona licitação da Prefeitura de mais de 4,9 mil horas em carro de som

Os valores com a contratação de carros de som e trio elétrico, pelo período de um ano, somam mais de R$ 513,9 mil

Utilizando o pequeno expediente da 18ª Sessão Ordinária, o vereador Ícaro Francio Severo (PSDB) apresentou números vultuosos a respeito de uma licitação da Prefeitura de Sinop que trata sobre a contratação de carros de som e trio elétrico.

De acordo com o Pregão Presencial nº 020/2018, o Executivo está disposto a contratar, pelo período de doze meses, 1.950 horas de trio elétrico para a divulgação de atividades e realização de eventos das Secretarias Municipais, sendo cada hora comercializada a R$ 189. Tal gasto está estimado em pouco mais de R$ 368,5 mil.

Fazendo uma conta rápida identificamos que, em relação ao trio elétrico, se dividirmos as mais de 1,9 mil horas pelos dias úteis em que a Prefeitura atende [de segunda a sexta], que totaliza 240 dias, teríamos oito horas de trio elétrico por dia, dedicado especialmente à Prefeitura. Será que realmente precisa de tudo isso?”, indagou Ícaro.

Além disso, o mesmo pregão presencial prevê a contratação de 2.968 horas de carro de som, sendo pago o valor de R$ 49 a cada hora, totalizando o gasto de aproximadamente R$ 145,4 mil. Ou seja, só nesse processo administrativo a estimativa de gasto é de mais de R$ 513,9 mil.

Ícaro ressaltou que o valor unitário descrito na licitação está acima do valor de mercado local. “Fizemos um levantamento aqui na cidade e a empresa que cobrou mais caro – que inclusive é a mesma que venceu a licitação – estabeleceu o valor de R$ 30. Então por que se cobrou R$ 49 da Prefeitura? E mais: por qual razão o edital dessa licitação da Prefeitura previa o valor de até R$ 53, sendo que o valor de mercado está bem abaixo disso? São questionamentos pertinentes que precisam ser respondidos”, declarou.

Em busca de esclarecimentos da Prefeitura, o parlamentar elaborou um Requerimento de Informações, que deve ser protocolado nessa semana e votado pela Câmara de Vereadores na 19ª Sessão Ordinária. Depois disso, a requisição das informações será encaminhada à Prefeitura, que tem o prazo máximo de 30 dias para responder formalmente.

Por fim, Ícaro apontou que tais gastos estão relacionados à mídia e divulgação e que, por essa razão, tais serviços devem estar previstos dentro do contrato de publicidade que a Prefeitura possui com a Agência de Publicidade. “Não é admissível que a Prefeitura gaste, além de R$ 1,7 milhão já previsto no contrato de publicidade, mais R$ 513 mil”, destacou. “Somando esses valores teríamos mais de R$ 2,2 milhões com gastos de divulgação e publicidade. Dinheiro que pode fazer falta em muitas ações para a população”.

Weslley Mtchaell – Assessor de Imprensa

Enviar mensagem
Precisa de ajuda?
Olá, tenho uma dúvida!